segunda-feira, 9 de agosto de 2010

Acontece com todo mundo.... Tribunal Belly Dance




Bem, estou há muito tempo para escrever sobre isso. Acho que, agora que não tenho mais o Espaço, posso me desprender de algumas coisas e dizer o que realmente penso sobre alguns assuntos.

O que é o Tribunal Belly Dance? É um espaço que paira no ar, que, de tempos em tempos bate à porta de toda professora de dança do ventre. Sim, toda e qualquer professora, ninguém está imune.
É quando a aluna vai embora sem dar explicações e, claro, como esse mundo é pequeno, ficamos sabendo o motivo e ficamos de queixo caído: como assim???? Não foi nada disso!!!!

Fico sempre alerta quando uma ex-aluna de outra professora vem fazer aula comigo, principalmente, se ela insiste em falar “cobras e lagartos” da mesma. Acreditem, flores, se ela faz isso com a outra, fará um dia com você também.
Aí a professora fica sem ter aonde se defender. Por isso o termo Tribunal Belly Dance. O único problema, é que a professora é sempre um ser indefensável, ou seja, ninguém vai perguntar para ela se aquilo tudo era verdade mesmo. Relação em sala de aula, é algo quase privado: acontece na sala dos espelhos, muita coisa é dita, e, no fringir dos ovos, muitas entendem do jeito que lhe convêm.

Picuinhas de escola, geralmente por causa de relações, transferências, eventos, concursos, coreografias, figurinos, festa de final de ano, aumento de mensalidade, mensalidades não-pagas.... os motivos são os mais variados. Quantas mulheres sensíveis e passionais existem, não é mesmo? tanta coisa que poderia ter sido resolvido apenas com uma conversa... uma pequena conversa...

Alunas vêm e vão e a professora fica lá, firme e forte como geléia de goiaba. Tenho colegas que foram parar no Hospital por causa de aluna.

Hoje me sinto muito mais "vacinada" de algumas coisas, pois achei melhor acreditar que o Universo preferiu juntar os iguais, de mesma energia, mesmo pensamento e vai, aos poucos, de tempos em tempos, passando uma "peneira" nas relações. Hoje, sou muito mais desapegada.

Isso atinge todas nós. E nem adianta fazer essa carinha de que não é com você, professora! Acredito que estas coisas são muito piores das que acontecem no meio “macro” da DV, pois acho que isso atinge diretamente o cotidiano da mulher que trabalha com Dança do Ventre (sim, gente, sua professora também é mulher!). Uma mulher que escolheu divulgar a Dança do Ventre para outras mulheres, mas não deixa de rir, chorar, se magoar... uma mulher com vida, família, amor, cachorro, gato e papagaio, algumas contas para pagar e muitos sonhos a alcançar. Uma mulher que, como todas nós, só quer ser feliz.

Beijos a todos!!

Ps.: Amo minhas alunas. Este post é sobre minha experiência com muitas mulheres que passaram e não estão mais em meu caminho, sejam por vários motivos. Minhas habibas, as que estão comigo até hoje, aconteça o que acontecer, são mulheres de verdade e me vêem como tal. Uma relação baseada na verdade e no respeito.

Ps.2: Não, não estou amarga (aliás, estou bem feliz, minha vida tá ótima) ... nem quebraram o meu potinho de mel... mas... sabe quando bate aquela vontade de falar as coisas?

6 comentários:

  1. Isso é viver teacher.
    Ainda bem que estamos vivendo intensamente esse omento, mulher de sentimentos e livre de pequenas coisas.
    Vamos p/ o mundo uhhhhhhhh!

    ResponderExcluir
  2. Flor, tive 3 professoras até hoje. Acho o fim sair de uma professora pq brigou. Todos os meus rompimentos foram saudáveis, de conversar com a moça, dizer a ela que estou buscando outra professora e o porquê. A prova de que isso sempre foi feito de maneira decente é que a minha 1a professora sempre me chama pra assistir seus eventos e a 2a virou minha amiga pessoal. Acho que sou uma mulher de sorte, não?

    ResponderExcluir
  3. Oi Lory! Então, eu também tenho alunas que se tornaram amigas pessoais mesmo sem frequentar mais a sala de aula. Nem sempre é traumático, mas, infelizmente, conversando com minhas amigas teachers, maturidade não é pra todo mundo... Beijooo!

    ResponderExcluir
  4. Oi Shaide, tudo bom? KKKKKK... fazer o quê, né?

    ResponderExcluir
  5. Oi Telminha! Sim, sim, vamo que vamo!!! Eu já fui faz tempo! Beijoooooooo

    ResponderExcluir

Mulher de Fases